Longe da Primeira Fila

Noite de sexta-feira, escritório vazio. Um pouco anestesiada pelas 14 horas de trabalho e suja como um leitão, você sai. Por uma brincadeira do destino seu carro está virado para o lado oposto da saída ideal do estacionamento e não há como manobrar ou entrar na contra-mão. Ok.. tudo bem se mudar o caminho por um dia. O que poderia acontecer?

Decidida a desbravar as congestionadas ruas de São Paulo, você se aventura por um caminho diferente na longa volta para casa. Atormentada pelos acontecimentos do dia, demora cerca de 15 minutos para perceber o celular tocando. São os amigos convidando para tomar algumas cervejas e conversar durante horas sobre trabalho, cinema, política e, claro, por que não sobre a vida alheia. A rota é redirecionada para o bar e o fim da semana começa a melhorar.

Longe da Primeira Fila continua… (clique aqui)

9 Comentários em “Longe da Primeira Fila”

  1. Olá, Renata. Lendo suas crônicas, senti uma imensa vontade de realmente ser sua amiga, e participar das suas micagens ao ver o rosto de um rapaz lindo, cobiçado, mas proibido… rsrsrsr Adoraria tè-la como amiga em meu clã no Orkut. Como te encontro lá? Vc me achará por Milca Costa Beijos, e… sucesso!

  2. Rêê!!! Haha, vai com calma né, assim vai espantar o tal gatinho, oras!!! Cuidado com o trabalho, ele faz com que nós fiquemos meio assim … cheios de expectativas por novas aventuras, essa rotina mata qualquer um! Mas é bom conhecer pessoas, aproveite, é assim que a gente aprende a lidar com todas as situações!!! Beijões e uma ótima semana pra vc!

  3. Oi Re… Tb estou com saudades. Como anda a vida? O emprego? Adorei os textos do Blog novo, em especial o anterior, que falou muito comigo nesse momento da vida… Em,bora não esteja num período de solidão (me casei ha algumas semanas) estou num momento de sentir mesmo falta de mim. Como se não me reconhecesse mais no espelho… Visitarei sempre. Beijos

  4. Oi, Rê! Td bem? Gostei mto dos seus textos. Qdo falamos sobre o que sentimos, as pessoas esperam que nós a façamos entender, mas qdo escrevemos elas buscam a compreensão. A empatia torna-se precedente da interpretação. Fiquei triste por ter partido tão rapidamente no domingo… Bjos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *